31 março 2017

PROGRAMA DE ATENCIÓN FARMACÉUTICA A PACIENTES CON DIETA CETOGÉNICA: EXPERIENCIA EN UN HOSPITAL PEDIÁTRICO

MARTIN PRADO S, DEBEN TRISCAR E, GONZALEZ RODRIGUEZ MI, GARCIA LOPEZ I, GARCIA RODRIGUEZ MP, POZAS DEL RIO MT.

HOSPITAL Infantil Niño Jesus. c/Menendez Pelayo 65. Madrid. España

La dieta cetogénica es un tipo de alimentación utilizada como tratamiento no farmacológico en epilepsia refractaria de la infancia. Mantiene el organismo en cetosis continua y se caracteriza por un aporte muy alto en grasas y bajo en hidratos de carbono y proteínas. Ya que los pacientes requieren medicación para tratar su enfermedad y evitar déficit de nutrientes, es necesario llevar a cabo un estricto control de los excipientes considerados carbohidratos, polialcoholes y etanol de su tratamiento. El contenido calórico de los medicamentos se debe tener en cuenta para realizar ajustes en la dieta.

OBJETIVOS: Describir la metodología utilizada para la atención farmacéutica al paciente con dieta cetogénica. Analizar la evolución de la actividad desde la puesta en marcha del programa.

MATERIAL Y MÉTODOS: Se realizó una búsqueda bibliográfica sistematizada sobre utilización de excipientes en dieta cetogénica. Con esta información se elaboró: - Una base de datos de medicamentos utilizados en neurología pediátrica que incluía: medicamento, laboratorio, cantidad de cada excipiente (carbohidratos, polialcoholes, etanol) y contenido calórico total en forma de hidratos de carbono (cálculo calórico según factores de conversión del R.D.930/1992).

Se contactó con el fabricante si la ficha técnica no especificaba la cantidad de los excipientes considerados.

- Un tríptico informativo sobre medicación para entregar al paciente. Se diseñó un procedimiento normalizado para el desarrollo de la atención farmacéutica:

- Selección de pacientes: el neurólogo o gastroenterólogo responsable enviaba a la Farmacia interconsulta de todos los inicios de tratamiento con dieta cetogénica. Además se incluían aquellos pacientes ingresados con dieta detectados en Farmatools®_Dosis Unitaria. Se añadía -Dieta cetogénica- en el campo alergias del programa de validación.

- Elaboración del informe de composición de medicamentos por paciente: incluía contenido de excipientes carbohidratos, polialcoholes y etanol, contenido calórico aportado por cada medicamento y recomendaciones sobre posibles cambios de presentación para conseguir reducir al máximo el aporte en hidratos de carbono. El informe se remitía a la sala de hospitalización para consulta por neurólogos, gastroenterólogos y enfermería.

- Seguimiento: las prescripciones se revisaban diariamente y cualquier cambio era actualizado en el informe. Se realizaba seguimiento analítico de cuerpos cetónicos para comprobar la consecución de cetosis y posibilidad de ajuste.

Se evaluó el impacto asistencial del programa de enero 2012 a marzo 2016.

RESULTADOS: El programa se aplicó a 93 pacientes (41% niñas), con edad media de 4,2 años. La indicación en todos fue epilepsia refractaria y distribución por diagnósticos: 48,4% encefalopatías epilépticas, 26,8% epilepsia generalizada y 24,7% epilepsia focal. Desde la puesta en marcha se redactaron 255 informes individualizados de composición y recomendaciones. Se analizaron 1591 líneas de medicación, con una media de 5,5 líneas por informe. Las principales intervenciones registradas implicaron sustitución de jarabes y viales bebibles por comprimidos o fórmulas magistrales sin azúcares. La base de datos contiene información de 730 medicamentos. Se realizaron 115 consultas a laboratorios.

CONCLUSIONES: Se ha consolidado el papel del farmacéutico como miembro del equipo multidisciplinar que trata al paciente con dieta cetogénica, como experto en medicamentos, fuente de información y asesoramiento para la selección del mejor tratamiento en estos pacientes.

Anais do 61º Congreso Nacional de la SEFH. Gijón. Spaña. Octubre 2016. Farm Hosp; Supl 1:18 - 55

10 janeiro 2017

Emulsión de timolol maleato

Los betabloqueantes vía tópica están siendo relativamente eficaces en el tratamiento de hemangiomas de pequeño tamaño de tipo superficial en el recién nacido. Empleados tópicamente se evitan los efectos sistémicos adversos de la vía oral (hipotensión severa, bradicardia, insuficiencia cardiaca congestiva, trastornos digestivos, disnea, cefaleas, mareos fatiga, alteraciones del sueño, cuadros de asma). No obstante conviene hacer un control durante el tratamiento vía tópica por si se presentaran algunos de estos síntomas por absorción transdérmica, lo cual es poco probable. Se consideran tres teorías en cuanto a su mecanismo de acción:

- Acción vasoconstrictora evidente por el cambio de coloración progresiva del hemangioma.
- Regulación de las vías implicadas en la expresión de genes angiogénicos.
- Producción de una apoptosis de las células endoteliales.

En un principio por vía tópica se emplearon colirios comerciales de timolol maleato. Actualmente se recurre a la formulación de emulsiones con este betabloqueante que permiten una total libertad de dosificación del activo por parte del médico prescriptor, y una mejor vehiculización y difusión dérmica. La concentración más habitual es al 0,5 % y la base más empleada es la de Beeler, aunque en zonas sensibles sea más recomendable emplear bases no iónicas por ser potencialmente menos irritantes. Un ejemplo de prescripción:

Timolol maleato, 0,5 %
Crema base de Beeler csp, 50 g
 
La elaboración de la fórmula es sencilla: una vez elaborada la base de Beeler y a temperatura ambiente, se añade el timolol maleato disuelto previamente en un 10 % de agua purificada. La fórmula final desarrollada para los 50 g prescritos sería la siguiente:

Timolol maleato, 0,25 g
Agua purificada, 5 g
Crema base de Beeler csp, 50 g
 
La composición de la base de Beeler según el Formulario Nacional sería la siguiente:

Alcohol cetílico, 15 g
Cera blanca, 1 g
Propilenglicol, 10 g
Laurilsulfato sódico, 2 g
Agua conservante csp, 100 g
 
El tratamiento suele durar al menos 3 meses a razón de 2 aplicaciones al día (cada 12 horas), administrando la crema en capa fina y dando un suave masaje hasta la completa difusión. Generalmente el dermatólogo suele hacer control cada mes.

27 novembro 2016

IMPLANTAÇÃO DE FARMÁCIA CLÍNICA NA HEMATOLOGIA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: DESAFIOS E RESULTADOS



GILBERTO BARCELOS SOUZA (1); NAYARA FERNANDES PAES (2); RACHEL NUNES ORNELLAS (2); TARCILA SOARES OLIVEIRA DE SOUZA ALBÉRICO (2); AMANDA CASTRO DOMINGUES DA SILVA (3); FÁBIO MOORE NUCCI (4); CLÁUDIA MÁRCIA CABRAL FEIJÓ OLIVEIRA (5); SUELLEM THOMÉ VARGAS POSSAS (2). Farmacêutico - Serviço de Farmácia - Hospital Universitário Antônio Pedro – Universidade Federal Fluminense - Niterói – RJ.Farmacêutica Residente - Serviço de Farmácia - Hospital Universitário Antônio Pedro – Universidade Federal Fluminense - Niterói – RJ. Acadêmica de Farmácia – Faculdade de Farmácia - Universidade Federal Fluminense – Niterói – RJ. Médico – Hematologista - Serviço de Hematologia - Hospital Universitário Antônio Pedro – Universidade Federal Fluminense - Niterói – RJ.Enfermeira – Serviço de Hematologia - Hospital Universitário Antônio Pedro - Universidade Federal Fluminense - Niterói – RJ.

Introdução: Farmácia Clínica é definida como a ciência da saúde que tem a finalidade de assegurar, mediante a aplicação de conhecimento, o uso seguro e apropriado do medicamento. O farmacêutico clínico na hematologia atua diminuindo a incidência de erros de medicação, de reações adversas a medicamentos, interações medicamentosas e incompatibilidades visando a segurança do paciente e redução de custos da instituição. Objetivo: Este trabalho tem o objetivo de relatar a experiência de farmacêuticos residentes na implantação de serviços de farmácia clínica na hematologia de um hospital universitário e seus resultados na assistência e segurança do paciente. Como objetivos específicos, tem-se: discutir a participação do profissional farmacêutico na equipe multidisciplinar e estabelecer contato direto com os pacientes. Metodologia: No período de março a maio de 2016, as 3 (três) farmacêuticas residentes em oncologia participaram, semanalmente, na Enfermaria  junto com a equipe multiprofissional, dos rounds realizados no setor, onde foram abordadas diversas questões envolvendo dados e informações científicas complexas sobre a farmacoterapêutica dos pacientes internados. Resultados: Foram desenvolvidas tabelas de medicamentos antineoplásicos hepatotóxicos e seus respectivos ajustes de doses; adaptação de doses na interação de antirretrovirais e quimioterápicos; diferenças observadas nas toxicidade medular e orgânica; perfil de eventos adversos de inibidores de tirosinaquinase; ajuste de doses por erro de prescrição médica; orientações sobre a diluição correta para a infusão dos medicamentos antineoplásicos. Durante os rounds, 100% das intervenções farmacêuticas foram aceitas pela Equipe Multiprofissional, sendo o médico o principal profissional solicitante e contatado. Conclusão: O paciente em uso de medicamentos citostáticos é diferenciado devido à alta complexidade da terapêutica e à gravidade da doença. A utilização de antineoplásicos e a associação de uma grande variedade de medicamentos com o objetivo de minimizar os eventos adversos desencadeados implicam na possibilidade de surgimento de interações e incompatibilidades medicamentosas. As experiências internacionais e nacionais demonstram a necessidade e a importância do farmacêutico clínico no cuidado do paciente hematológico, promovendo atuação clínica, a redução de custos com a perda de medicamentos e a duração incorreta dos tratamentos. Além disso, o farmacêutico clínico tem o seu papel reconhecido pela equipe multiprofissional. Palavras chave: Farmácia clínica, hematologia, segurança do paciente.

Anais do V Congresso de Farmácia Hospitalar em Oncologia do INCA - 26 a 29 de outubro de 2016 - Rio de Janeiro - RJ

21 setembro 2016

UFRJ divulga nova retificação de Concurso Público com 130 vagas técnico-administrativas

Se você possui ensino médio, técnico ou superior completo em áreas específicas, pode concorrer a uma das 130 vagas abertas em cargos técnico-administrativos, no novo Concurso Público da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ que, inclusive, está retificado pela terceira vez.
Dentre às correções constam mudanças no conteúdo programático e na tabela de pontos para a avaliação de títulos. Mais detalhes podem ser conferidos nos arquivos disponíveis em nosso site.
As oportunidades estão distribuídas em funções de classes C, D e E, no município do Rio de Janeiro e apresentam salários variados de R$ 1.834,69 a R$ 7.736,42, sem considerar os benefícios de auxílios transporte, alimentação, pré-escolar e saúde, e incentivo à qualificação.
Os regimes de trabalho a serem desempenhados são de 24h, 30h ou 40 horas semanais, de acordo com o cargo provido. Confira as opções:
  • Nível Fundamental: Contra - Mestre/ Ofício Geral (8);
  • Nível Médio/ Técnico: Assistente de Direção e Produção Geral (1), Desenhista Técnico Geral (1), Enfermeiro Geral (12), Enfermeiro Pediatria (5), Enfermeiro Materno Infantil (2) e Enfermeiro Psiquiatria (1); Mestre de Edificações e Infraestrutura Geral (3), Musicoterapeuta Geral (1), Operador de Câmera de Cinema e TV Geral (1), Taxidermista Geral (1), Técnico em Arquivo Geral (2), Técnico em Eletricidade Geral (1), Técnico em Eletrônica Geral (2), Técnico em Eletrotécnica Geral (1), Técnico em Enfermagem Geral (15), Técnico em Enfermagem Pediatria (5), Técnico em Equipamentos Médicos - Odontológicos Geral (2), Técnico em Laboratório nas áreas de Patologia Clínica (4), Anatomia Patológica (2), Hemoterapia (2), Herbário (2), Biotério (2), Operação de Áudio (1), Técnico em Radiologia Geral (3), Técnico em Radiologia Radioterapia (3) e Técnico em Refrigeração Geral (3);
  • Nível Superior: Administrador Geral (3), Administrador Hospitalar (3), Biólogo Geral (1), Biólogo Genética (1), Biólogo Biologia Molecular (1), Biólogo Biologia Marinha (1), Biólogo Ecologia (1), Biólogo Zoologia (1), Biólogo Botânica (1), Editor de Publicações Geral (1), Engenheiro Telecomunicações (1), Farmacêutico Bioquímico Geral (1), Físico Física Médica (1), Médicos Radioterapeuta (3), em Oftalmologia (1), Oftalmologia Pediátrica (1), Emergência Médica Pediátrica (1), Urologia Pediátrica (1), Intensivista Pediátrico (1), Otorrinolaringologia (1), Intensivista Neonatal (1), Ginecologia (1), Ginecologia Infanto Puberal (1), Clínico Medicina Interna (1), Hemoterapia (1), Anestesiologia Geral (1), Anestesiologia Pediátrico (1), Anestesiologia Materno Infantil (1), Radiologia Geral (Tomografia, Ressonância e Nuclear) (3), Psiquiatria (1), Cirurgia Cardíaca (1), e em Obstetrícia (1), Odontólogo Pacientes com Necessidades Especiais (1), Pedagogo Geral (1), Químico Proteínas e Síntese de Peptídeos (1) e Tecnólogo/ Formação Radiodifusão Sonora (1).
As inscrições são recebidas até 3 de outubro de 2016, pelo site www.concursos.pr4.ufrj.br, com o recolhimento das taxas nos valores de R$ 90,00 a R$ 200,00. O início do prazo tem início nesta terça-feira (13), por conta de problemas técnicos.

Os inscritos serão submetidos às Provas Objetiva, Prática e de Títulos, de acordo com o método de avaliação adotado por cada função, sendo que o resultado final será válido por um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

Prepare-se para o teste escrito, que deve ser aplicado em 4 e 18 de dezembro de 2016, com a apostila digital elaborada com base no conteúdo sugerido.

19 julho 2016

Livro FORMULÁRIO FARMACÊUTICO MAGISTRAL

O Formulário Farmacêutico Magistral 2016 apresenta 981 fármacos e mais de 1.300 fórmulas de medicamentos manipulados, suas respectivas estabilidades, modos de preparo a partir de matérias-primas, cápsulas, comprimidos, ampolas, soluções para nebulização, sprays nasais, ou de outras formas farmacêuticas existentes.
A obra é ricamente referenciada e embasada na literatura farmacêutica internacional atual, de leitura fácil e objetiva, e assim, de grande utilidade aos estudantes de farmácia e aos profissionais da manipulação magistral no ambiente hospitalar e nas farmácias de manipulação. 
 
Sumário
 
  1. Agradecimentos
  2. Nota
  3. Manipulação Magistral
  4. Medicamentos em Dermatologia
  5. Preparações Tópicas Semisólidas
  6. Medicamentos em Oftalmologia
  7. Glossário Dermatológico
  8. Glossário Farmacêutico
  9. Tabela de pH
  10. Fórmulas Farmacêuticas

16 junho 2016

EFEITOS ADVERSOS TARDIOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO ANTINEOPLÁSICO: ESTUDO DE CASO CONTROLE

Annemeri Livinalli, annemeri.livinalli@gmail.com, Jundiaí, SP, Universidade de Sorocaba
Luciane Cruz Lopes, luslopes@terra.com.br, Sorocaba, SP, Universidade de Sorocaba
Marcus Tolentino Silva, marcusts@gmail.com, Sorocaba, SP, Universidade de Sorocaba

Introdução: Crianças e adolescentes sobreviventes de câncer apresentam efeitos adversos tardios relacionados ao tratamento. Estudos que possam produzir dados de seguimento em longo prazo, de populações de elevado risco, são essenciais para a construção de evidência de recomendação. Objetivo: Identificar e caracterizar efeitos adversos tardios em sobreviventes de câncer na infância e adolescência submetidos a terapia antineoplásica quimioterapia e/ou radioterapia) e determinar os fatores preditivos associados. Método: estudo caso-controle com pacientes recrutados no período de 2010 a 2014. Os casos foram definidos como sendo aqueles em que foi detectado o efeito adverso tardio na consulta ou nos resultados de exames solicitados. Controles, foram pacientes consecutivos que aderiram ao seguimento anual, recrutados pelo mesmo método, da mesma população onde se identificaram os casos. Todos os possíveis efeitos adversos tardios identificados foram classificados em diferentes graus utilizando o Common Terminology Criteria for Adverse Events versão 4.0. Para análise estatística utilizou-se como medida de associação a razão de prevalência ajustada por sexo e idade no início do seguimento por regressão logística e nível de significância de p 0,05. Resultados: de 111 participantes potencialmente elegíveis, 62 sobreviventes atenderam os critérios de inclusão, sendo 17 (27,4%) deles com alterações em exames que podem representar algum efeito tardio adverso. Destes casos, oito (47%) apresentaram alteração no sistema endocrinometabólico, sete (41,2%) no sistema cardiovascular, cinco (29,4%) no sistema musculoesquelético, um (5,9%) nos sistemas auditivo e renal, concomitantemente. Alteração em dois sistemas foi observado em quatro (23,5%) participantes. A gravidade variou entre o grau 1 e 2. A razão de prevalência para os fatores preditivos testados (sexo, idade, etnia e terapia empregada) não foi significativa. Conclusão: Nesta amostra, a frequência e gravidade dos efeitos adversos não são diferentes entre os tratamentos empregados e nenhum fator preditivo esteve associado ao risco de aparecimento de efeitos adverso.  

Poster in: VIII Congresso da SOBRAFO - 20 a 22 de maio de 2016 - Florianópolis - SC

30 maio 2016

ANÁLISE DE PRESCRIÇÕES ONCOLÓGICAS EM UM COMPLEXO HOSPITALAR DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

Ana Claudia de Almeida - anac.almeida90@gmail.com;
Débora Sanches Comar - debora_ad@hotmail.com;
Jaqueline Correa de Souza - jaque-correa@hotmail.com;
Julia Florêncio Mega - juliafmega@hotmail.com;
Regina Maura Oliveira Mazetto - fermaz@terra.com.br;

Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto/SP;

Introdução: O câncer é uma das patologias que vem atingindo drasticamente a população mundial, sendo uma das doenças crônicas não transmissíveis que mais causam óbitos no mundo. Com a evolução das tecnologias farmacêuticas, hoje existem tratamentos que podem levar à cura do
paciente, priorizando a qualidade de vida do mesmo. Os agentes antineoplásicos são divididos em classes e cada medicamento necessita que haja a terapia individualizada do paciente, visando a necessidade e limitações do mesmo. Erro de medicação é algo que ocasiona dano temporário ou irreversível ao paciente, pelo uso inadequado do mesmo, ou mesmo pela ausência da medicação. Objetivo: O estudo se baseia na análise de prescrições, com o intuito de prevenir os erros de medicações, e realização de comparativo com trabalho publicado anteriormente na instituição, sendo assim, mensurado o trabalho na farmácia clínica e garantindo assistência de excelência ao paciente, evitando que divergências encontradas nas prescrições cheguem ao usuário final. Metodologia: Foram analisadas 9300 prescrições, do período de março a dezembro de 2015, A análise baseou-se em literaturas e protocolos da instituição. Resultados: Das prescrições analisadas, 364 (4%) apresentaram divergências de prescrições, sendo 430 erros: dose 185 (43%), volume 47 (11%), apresentação 28 (6%), tempo de infusão 71 (16%), frequência 41 (10%), omissão de fármaco 28 (7%) e outros 30 (7%). Conclusão: Os resultados apresentados em 2014, no mesmo período, apresentaram valor inferior aos apresentados recentemente. Concluiu-se que, devido a grande rotatividade do corpo clínico de residentes, as divergências são constantes. Cabe a equipe multidisciplinar o trabalho de monitorização das prescrições constantes, evitando assim perdas financeiras e prejuízo ao paciente.

Poster in: Anais do VIII Congresso da SOBRAFO - 20 a 22 de maio de 2016 - Florianópolis - SC